sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Inauguração da Sede da Associação de Santos Reis e IV Encontro de Folia de Reis

A diretoria da ADERMAB convida para Inauguração da Sede da Associação dos Devotos dos Reis Magos e IV Encontro de Folia de Reis a realizar-se nos dias 14 e 15 de janeiro de 2017, na Rua Bambuí, 253, Centro, Piumhi, Minas Gerais. Confira a programação completa.







quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Folias de Minas são reconhecidas como patrimônio cultural


Além das Folias de Reis, outros três bens culturais já foram reconhecidos como patrimônio imaterial do Estado: o Modo Artesanal de Fazer o Queijo da Região do Serro, em 2004; a Festa de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de Chapada do Norte, em 2013; e a Comunidade dos Arturos, em 2014.


Durante um ano, equipe do Iepha cadastrou mais 1200 grupos de 326 municípios


As Folias de Minas receberam nesta sexta-feira (6/01), o reconhecimento de patrimônio cultural de natureza imaterial do Estado de Minas Gerais. Em reunião realizada na Casa Fiat de Cultura, no Circuito Liberdade, em Belo Horizonte, a tradicional festa da cultura popular mineira recebeu aprovação de todos os membros do Conselho Estadual do Patrimônio Cultural – Conep, e se junta a outros três bens já registrados pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais – Iepha-MG.
O Iepha-MG  apresentou ao Conep, instituição formada por integrantes de instituições públicas e da sociedade civil, os resultados de um ano de pesquisas e que revelaram mais de 50 tipos de devoção e uma grande diversidade de folias no estado. Com 106 grupos, Uberaba, no Triângulo Mineiro, é o município que possui o maior número de grupos cadastrados. Em seguida, João Pinheiro, na região noroeste do estado, aparece com 34. Dos 1.255 grupos que realizaram o cadastro, 883 se declararam devotos aos Santos Reis, 255 a São Sebastião, 193 ao Menino Jesus e 130 ao Divino Espírito Santo.
Para Angelo Oswaldo, secretário de estado de Cultura de Minas Gerais e presidente do Conep, o Estado cumpre com o seu papel ao investir em pesquisas que resultam no reconhecimento de manifestação cultural tão presente na vida dos mineiros. "Os reizados representam uma das parcelas mais ricas do patrimônio cultural mineiro, e nós estamos reconhecendo tanto as folias de reis quanto as do Divini Espírito Santo, São Sebastião e São benedito", diz o secretário. "São milhares de pessoas em Minas Gerais que mantém viva essa tradição", celebra.
 Michele Arroyo, presidente do Iepha-MG, destaca que, pela primeira vez, o Conep reconhece um bem de natureza imaterial que está presente em todo o estado de Minas Gerais. “A metodologia participativa para o reconhecimento e identificação do patrimônio cultural, seja material ou imaterial, reafirma o compromisso do Iepha-MG de ouvir as comunidades detentoras do saber e estabelecer um diálogo com as pessoas. Mais uma vez encontramos na cultura popular umas das maiores riquezas do estado, uma tradição”, ressalta a presidente.
Além das Folias de Minas, outros três bens culturais já foram reconhecidos como patrimônio imaterial do Estado: o Modo Artesanal de Fazer o Queijo da Região do Serro – em 2004; a Festa de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de Chapada do Norte – em 2013; e a Comunidade dos Arturos – em 2014.
Patrimônio material
No último dia 20 de dezembro de 2016, o Conep também aprovou por unanimidade o tombamento do Centro Histórico de Grão Mogol, localizado na região norte do estado, e que se junta a outros bens culturais já protegidos por tombamento e reconhecidos como patrimônio cultural de Minas Gerais.
Três séculos de Folias de Minas
As folias possuem mais de três séculos de prática e forte representatividade na religiosidade e cultura mineira. Em geral, são organizadas por um grupo de devotos, saindo na chamada “jornada” ou “giro”, que passa pelas casas da comunidade, cantando e festejando para o santo de devoção do grupo.
Estas manifestações culturais acontecem em todo o território mineiro e se revelam de diferentes formas e com várias nomeações. Chamadas também de “terno”, “charola” e “companhia”, os grupos se organizam para homenagear diversos santos, e não apenas os Reis Magos, como acontece nas Folias de Reis.
O processo de reconhecer uma manifestação tão significativa em um patrimônio imaterial é de extrema importância. Quando um bem é reconhecido, além de ganhar visibilidade, tornando-se mais conhecido, faz com que o poder público se comprometa com o estabelecimento de medidas de salvaguarda, capazes de incentivar a perpetuação da manifestação cultural.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Governo de Minas Gerais reconhece Folias de Reis como Patrimônio Imaterial do Estado

Integrantes de diversos grupos foram recebidos pelo governador Fernando Pimentel, que prestou homenagem à tradição mineira
O governador de Minas Gerais,Fernando Pimentel, recebeu na sexta-feira (6/1), no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, integrantes de grupos mineiros de Folias de Reis. No dia que marca a comemoração do Dia de Reis, o Conselho Estadual de Patrimônio de Minas Gerais (Conep) reconheceu as Folias de Minas como Patrimônio Imaterial do Estado.
“É um momento importante para nós. Não por coincidência hoje é Dia de Reis, dia 6 de janeiro, e esse é um dos ativos culturais mais importantes de Minas Gerais. A Folia de Reis tem mais de 300 anos que a gente comemora, festeja e que a gente participa. É uma tradição muito cara a todos os mineiros e mineiras. Por isso é com muita alegria que recebo vocês aqui hoje para prestar uma homenagem do povo de Minas Gerais, representado aqui pelo Governo, a todos os grupos de Folia de Reis”, disse o governador Fernando Pimentel.
OInstituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha)apresentou o resultado de uma extensa pesquisa que revelou mais de 50 tipos de devoção e uma grande diversidade de folias no estado. Após o encontro com o governador, cerca de 200 integrantes das Folias de Minas se reuniram no Museu Mineiro e saíram em cortejo pelos espaços doCircuito Liberdade.
“Esta tradição vai lá no fundo da alma de Minas Gerais. Desde o início da colonização mineira, do ciclo do ouro, nós temos manifestações ligadas aos Reis Magos. Esse registro é uma documentação completa. O Iepha trabalhou nos últimos dois anos e levantou mais de 1.500 folias em Minas Gerais. Esse reconhecimento é uma chancela, uma espécie de selo de qualidade que se dá a um bem cultural, para que todos prestem atenção a ele”, explicou osecretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo.
Durante a cerimônia, o Governo do Estado também homenageou o professor Affonso Furtado Silva e o presidente da Comissão Mineira de Folclore, José Moreira de Souza, ambos pesquisadores da cultura popular e que contribuíram para a documentação sobre os grupos de Folias de Reis, o que culminou no reconhecimento dessas manifestações como patrimônio imaterial de Minas Gerais.
Esse procedimento, além de propiciar maior visibilidade a essas manifestações da cultura popular, fará com que o poder público se torne responsável pelo estabelecimento de medidas para incentivar e garantir sua perpetuação.
Três séculos de Folias de Minas
As folias possuem mais de três séculos de prática e forte representatividade na religiosidade e cultura mineiras. Em geral, são organizadas por um grupo de devotos, saindo na chamada “jornada” ou “giro”, que passa pelas casas da comunidade, cantando e festejando para o santo de devoção do grupo. 
Estas manifestações culturais acontecem em todo o território mineiro e se revelam de diferentes formas e com várias nomeações. Chamadas também de “terno”, “charola” e “companhia”, os grupos se organizam para homenagear diversos santos, e não apenas os Reis Magos, como acontece nas Folias de Reis no dia 6 de janeiro.
Estiveram presentes à cerimônia os secretários de Estado de Educação, Macaé Evaristo; do Trabalho e Desenvolvimento Social, Rosilene Rocha; de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, Nilmário Miranda; de Desenvolvimento Agrário, Neivaldo de Lima Virgílio; além da presidente do Iepha, Michelle Arroyo, entre outras autoridades.

Crédito (foto): Veronica Manevy/Imprensa MG

Publicado em: http://www.cultura.mg.gov.br/

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

ELEIÇÕES CONSEC-MG: AGRADECIMENTO

Quero agradecer a todos que me deram um voto de confiança para representá-los no CONSEC/MG - Conselho Estadual de Política Cultural de Minas Gerais (2017/2018), para defender as ações em prol de nosso patrimônio material e imaterial e acompanhar a aprovação e execução do Plano Estadual de Cultura.
Um agradecimento especial aos membros da ADERMAB, Associação de Folias de Reis, que me indicaram para representa-los na defesa desta manifestação cultural de origem portuguesa que ainda resiste e luta para manter a tradição de fé e solidariedade no interior do nosso interior. Minha mais sincera gratidão e certeza de que continuarei na luta por nosso patrimônio cultural.

Ao CONSEC-MG - órgão colegiado que auxilia na criação de condições para que todos os mineiros exerçam seus direitos culturais e tenham acesso aos bens culturais, destaco a responsabilidade do diálogo permanente, e a importância da comunicação efetiva REPRESENTANTES/ REPRESENTADOS através dos 17 territórios de desenvolvimento do Estado.  

Como uma instância da sociedade civil junto ao poder público, cabe ao CONSEC manter instâncias de discussão com as associações representativas de manifestações culturais, artistas, produtores culturais, conselhos municipais, pontos de cultura, assegurando a democratização da participação de todos os agentes culturais da sociedade. Entretanto, a falta de indicação de representantes da cultura indígena — nossa primeira cultura, que luta e resiste com suas comunidades e seus saberes, ao poder do dinheiro que a tudo corrói, além da participação de apenas 202 dos 853 municípios do Estado na escolha de representantes, demonstra a necessidade de organização e aperfeiçoamento da comunicação representantes (CONSELHO) e representados (SOCIEDADE).

Durante o FÓRUM TÉCNICO PLANO ESTADUAL DE CULTURA, do qual faço parte como representante do Comitê de Representação Região Sudoeste, uma das propostas de AÇÃO LEGISLATIVA foi a criação de uma rede pública de comunicação integrando os 17 Territórios de Desenvolvimento de Minas Gerais, articulando o diálogo entre os territórios, a troca de informações, integração cultural, através da produção e difusão de conteúdo, ação que se aprovada contribuirá, também, com a comunicação entre  conselho e sociedade.

Taís T Ferreira
Jornalista/Fotógrafa

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Por que é preciso ter conselhos de cultura?

Cultura é um direito e demanda por políticas participativas para que se efetive este direito.

Vote nos dias 15, 16 e 17 de dezembro.

Ser conselheiro é uma possibilidade concreta de participar de um momento histórico de construção de ações permanentes de desenvolvimento humano e cultural por meio da consulta à população. 

A atuação dos conselheiros responde a uma necessidade fundamental de articulação e cooperação entre os diferentes entes do governo municipal, estadual e federal e uma efetiva participação da sociedade civil.

Memória e patrimônio são plurais e portanto, requerem uma perspectiva igualmente diversa, plural amplamente debatida por todos. Por isso, o desafio histórico dos conselhos é a participação popular nas políticas públicas do Estado, protegendo e promovendo o patrimônio cultural e o desenvolvimento social com pleno exercício dos direitos culturais e garantindo o acesso aos bens e serviços culturais.

Participar de um conselho não é só comparecer às reuniões, deliberar ou representar. É participar na perspectiva e preocupação com o todo, com o bem estar, com a memória, com o patrimônio e com os direitos culturais da população brasileira.

A esfera pública é o espaço do debate entre a população e as outras esferas da sociedade. Estado e sociedade se complementam, não são duas forças em conflito, por isso necessitam diálogo entre si em prol do coletivo.

Vote no representante para o CONSELHO DE POLÍTICA CULTURAL - CONSEC-MG


SEGMENTO: Patrimônio Material e Imaterial



NOME: Tais Teonilia Ferreira

ENTIDADE: Associação dos Devotos dos Reis Magos de Belém de Piumhi/MG - ADERMAB

CNPJ: 11.001.649/0001-43